Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Calor a mais, actividade a menos.

Caras(os) amigas(os) eu não emigrei, não fui abduzida e nem perdi o pio...

 

Tenho apenas sido afectada pela maleita que atingiu todos os portugueses nestes últimos dias: excesso de calor com uma forte vontade de não fazer nada... diria até que sem vontade de mexer uma palha.

 

Mas como não nos podemos entregar à inércia, tenho de voltar aqui ao cantinho com a minhas escritas. E se eu começar a faltar, se faz favor de me puxarem as orelhas... mas devagarinho, está bem? :)

 

Preciso de uns novos!!! :S

 Mas é que preciso mesmo de uns novos! Estes são todos cheios de não-me-toques, sensíveis até mais não, tudo lhes faz mal e não é qualquer sapato que aceita calçar!
Desde sábado que tenho os meus ricos pézinhos tão frágeizinhos. Depois da festarola de manhã e do arraial à noite (e não foi de dançar!) os desgraçados ficaram mesmo maltratados. Eu bem os pus de molho, hidratei e dei descanso mas eles ainda não estão em forma.
Hoje fui às compras de manhã e, com o caloraço que está (38º?!?), já voltaram ao mesmo.
Opá, quem me manda ter estes pézinhos delicados de princesa?
{#emotions_dlg.confused}

Ai tão doentinha... :/

 
É claro que as alergias não existem. Eu não estou com um ataque de alergia, eu não estou aos espirros e também não gastei dois maços de lenços de papel. Ah e o comprimido e spray do nariz também foram delírios meus do universo onírico!
Rai's parta a alergia e mais quem as inventou... Ah e o calor súbito também podia ir dar uma voltinha...
Assim o meu nariz ficava BEM mais calminho...
{#emotions_dlg.angry}

Assim você me mata!

Tem sido um dia do catano! Acordei com uma dor de cabeça brutal, com tal intensidade que nem suportava o toque da almofada na cabeça. Fui obrigada a tomar um comprimido senão já não saia da cama todo o dia.

 

Quando já me conseguia movimentar para fazer qualquer coisinha, guess what? Comecei aos espirros! Já não me bastava uma chatice, tinha que ter duas. Eu até andava a estranhar os atchins andarem muito calminhos. Mas eu nem quis dizer nada, ainda assim não estivessem à escuta ali na esquina e voltassem.

 

A meio da manhã, peguei em mim e arrastei-me até ao computador para terminar um trabalho que tinha de levar para a escola. Escusado será dizer que levei o dobro ou o triplo do tempo nesta tarefa.

 

Quando ia para a escola, a fractura do meu tornozelo começou aos gritos a dizer "hei, estou aqui!!!". Começou a dor-me imenso. Bolas! Não me faltava mais nada... Dizem que não há duas sem três...

 

Assim não dá. Assim você me mata sr. calor! Você é muito agradável mas com suavidade, não é à bruta como está a ser agora...

 

No fim de tudo...

E mais uma semana passou e o fim de semana já dá um ar da sua graça. Comecei esta semana já cansada. Não consigo explicar porquê. No fim de semana descansei, não tive trabalho extra que me obrigasse a trabalhar mais horas mas o que é facto que me tenho sentido cansada desde segunda-feira.

 

Será da primavera? É possível, já que este tempo de temperaturas amenas nos trazem alguma moleza e astenia. E a quem é que apetece ir trabalhar? Não era muito melhor ir apanhar sol para um jardim ou até à beira-mar? E hoje estava tão bom!

 

Gostei de vestir roupa mais leve hoje. Pensei que podia ser um atrevimento já que no regresso a casa já costuma estar frio. Encontrei pessoas já de manga curta e até de sandálias... e eu, de botas!

 

Apesar do cansaço de toda a semana e do balde de água fria do meio da semana, posso dizer que hoje foi um dia bom, que a semana termina mais ou menos bem. E é mais ou menos porque este fim de semana estou sem o meu príncipe e o meu fiel escudeiro.

 

Tanta Calma*...

 

 

* calma em alentejanês também tem como sinónimo calor.

 

Estou em falta com vocês. Muito post prometido mas primeiro que saiam cá para fora... anda cá se queres!

Depois anda tudo às avessas, o que desmotiva a escrita no blog e até dar um saltinho aos vossos blogs. Já para nem falar do meu próprio PC que pifou...

 

No colégio, que tem resmas de PCs, estão todos desligados por causa das obras revolucionárias que começaram ontem. Só há um que funcionava até ontem mas hoje... morreu! Mas o coitadito também é da era da pedra lascada e tem um mini monitor que, para ver o que lá está, quase temos de usar uma lupa. No entanto, é óptimo para a minha auxiliar andar lá sempre pregada na net. Voltamos à mesma m€rd@ do ano passado.

 

Quando chego a casa, chego morta de cansaço. Levanto-me às 6.40 para ir abrir o colégio e assim que lá chego, pareço uma barata tonta a abrir portas e a andar de volta dos miúdos. E com esta onda de calor, sinto um cansaço tremendo. Quando chego a casa não tenho alento nem neurónios (que estão esturricados) pra nada.

 

Po isso, amigos, vou postando e comentando devagarinho que isto está muito calor para mexer os dedos muito depressa... LOL!

 

 

Costas Quentes... E Não É Do Sol...

 

Mais um dia desmotivante e de calor infernal, mais um dia de praia e quilos de areia. Estava-se bem na praia e melhor ainda demolho na água, só era pena a rebentação das ondas.

 

Foi chegar à praia e sugerir uma ida imediata à água, antes que os corpos aquecessem mais, e depois colocava-se o protector solar (pois com a água sai) e as crianças comiam. Acharam que devia ser ao contrário. Ok, já cá não está quem falou! Percebi que a minha colega também já tinha ouvido qualquer coisa que não tinha gostado e que o único ser masculino que nos acompanha se estava a esticar...

 

Fomos à água duas vezes, dois miúdos da turma da santinha-do-pau-oco iam desaparecendo, se não fosse a V. buscá-los, enquanto sua santidade dava banhos de beleza na água salgadae eu me assegurava que as outras crianças estavam ali à minha volta.

 

Fomos almoçar e, como é hábito, os diabinhos anjinhos são sempre os últimos a fazer tudo graças à lentidão extra que lhe foi "ensinada", digamos assim. Existe a tradição das crianças irem comer um geladinho e cada dia vai uma turma. Hoje calhou à dos diabinhos anjinhos e estavam fartos de nos apressar, uma vez que estava na horade almoço dos motoristas das camionetas. Mas como a santinha-do-pau-oco tem ritmo de caracol, a A. começou a pressionar para nos despacharmos. E assim fizémos, Pegámos nas crianças já prontas e fomos para a camioneta para adiantarmos serviço, enquanto a santinha preparava as crianças que lá ficaram. Ficámos à espera que sua santidade aparecesse e, quando finalmente apareceu, veio dizer-nos que não ia e que não queria café nem gelados.

 

Quando regressámos, fui informada por várias pessoas que a santinha-do-pau-oco tinha ido fazer queixas de mim e da V., dizendo que nós não fazíamos nada (?!) e que ela não tinha autonomia para fazer nada com a turma dela.Bo, nem vos digo, nem vos conto que fiquei pa morrer com o tamanho da mentira e ainda por cima pela queixinha. Mais uma vez prova que é uma criancinha em vez de uma mulherzinha.

Fiquei muito decepcionada e demotivada. Se não fosse pelo compromisso assumido, já não punha lá os pés, ela que se desemerdasse.

 

Não sei o que faça: se fico calada, pois ela tem as costas quentes da mana directora ou se lhe digo alguma coisa, tipo que não quero interferir no trabalho dela com as crianças e que me diga que tarefas quer que desempenhe. É que a mana acredita piamente na palavra dela, por isso estão a ver como a santinha é cínica e mentirosa. Tinha vontade de lhe dizer, sem meter ninguém em cheque, que quando tiver algo a dizer de mim que mo diga directamente.

O que é que vocês fariam? Help me!

 

MOMENTO DO DIA

 

#1 (na camioneta, a caminho da praia, alguns alunos do 1º ano)

- Vá lá, dá-lhe um beijo na boca... é rápido! Olha para a língua... até parece um iceberg... é fresquinha...

 

#2 (o mijão de serviço que pára no meio de uma estrada com carros em alta velocidade só para verter águas. Após ums mijadela contra a árvore onde estavam os sacos de alguns profes. ...)

- Ó G. não se lambe a mão depois de mexeres e sacudires a pilinha... (no comments{#emotions_dlg.blushed} )

O Primeiro Dia Da Bea(it)ch.

Nem vale a pena começar por dizer que estava um calor infernal. Saí de casa às 7 da manhã a pensar que estaria fresquito mas estava redondamente enganada. Às 7 e pouco já os termómetros de rua acusavam 25 graus.

 

Apanhei a catrefada de camionetas em direcção ao convento com um bad feeling. O que eu previa nos meus pensamentos mais remotos e pouco prováveis aconteceu! Eu explico: Para acompanhar os alunos das turmas que vão para a praia, vai um professor e uma auxiliar. Ora eu podia ir com todas as turmas menos com uma, a da santinha-do-pau-oco, uma vez que os miúdos não são meus alunos. É que a santinha-do-pau-oco quis dar inglês à sua turma. Sabem, é que ela trabalha muuuuuuito, até sai do convento às 9 da noite!!!! Ah, esqueci-me de dizer em que fica a trabalhar: a DAR GRAXA à mana-directora e sua trupe!!!

 

E não é que me calhou mesmo na rifa acompanhar a santinha-do-pau-oco? Acreditam nisto?!?!?! Resultado, os putos não me conhecem e não ligam nenhuma ao que eu digo. A santinha-do-pau-oco é do género “não faço que alguém há-de fazer” e os desgraçados dos putos do 1º ano é que ficam a assar! Ora eu, que me faz uma comichão do caraças estas coisas, pus logo tudo a andar numa fona!

 

Admite-se que com um calor destes se deixe as crianças ao sol à espera tempos infinitos porque a santinha-do-pau-oco e a mana do zoo – que vem na nossa camioneta – sejam umas desorganizadas do caraças e esteja cada coisa para seu lado? Passou-me a primeira coisinha má pelas vistas, peguei nos putos todos e fomos abancar para a praia. Senão a santinha-do-pau-oco não saia dali. A mana do zoo já se sabe como é.

 

Como se EU não bastasse, a prof. de música também foi “destacada” para acompanhar a santinha e os seus diabinhos anjinhos. Três marmanjas para acompanhar 17 putos…

Resultado, a santinha estava à espera que a dupla de desgraçadas (eu e a minha colega) fizéssemos tudo! Colocar protector solar nas crianças, mandar vestir e despir, olhar por eles, irmos para a água com eles e por aí afora. Como lhe topei o esquema, só fiz o que me competia para que as crianças não fossem prejudicadas por esta abécula, quer dizer, santinha.

 

Hora de ir à água. A santinha-do-pau-oco desengonçou-se por todos os lados enquanto formava fila com os putos já descascados e prontos para irem à água. Mais uma espera. Lá veio sua santidade com os restantes diabinhos anjinhos e em vez de alinhar à frente dos que já lá estavam, pois era onde ainda havia espaço, resolveu que os queria entrincheirar no meio de duas turmas. Lá vai aqui a rezingona pedir para passarem para a frente. Será que estas coisas não discorrem à santinha-do.pau-oco?

 

Só um aparte: ainda não vos confidenciei que a santinha-do-pau-oco é anti-social, não se mistura com os comuns mortais, e muitas vezes nem nos dirige a palavra, roçando a falta de educação. Outra coisa curiosa é que ela isola os seus diabinhos anjinhos das outras crianças, prática esta, de resto, já utilizada pela mana do zoo. Resultado obtido: crianças anti-sociais, desregradas e que não sabem conviver com outros colegas senão aqueles a que estão habituados. Adiante!

 

Da parte da tarde temos mata. Sempre nos safamos mais um bocadinho ao calor. Almoçámos em conjunto e depois foi hora de brincadeira. É usual deixarmos os miúdos andarem a brincar à vontade sob o nosso olhar. Mas até aqui sua santidade teve de dar um ar da sua graça. Em vez de se juntar aos colegas e auxiliares para confraternizar um pouco, optou por andar a esfregar-se na areia castanha que deixa tudo cagado sujo. God gracious!

 

Mais uma vez tive de “puxar a carroça” à hora de regressar ao convento. Deu-me a segunda coisinha má e pus tudo em sentido a recolher as suas coisitas e a fazer fila atrás de mim. Ficaram dois ou três para trás com a santinha-do-pau-oco enquanto estes subiam para o autocarro.

***

Durante a época balnear vou criar a rubrica MOMENTO DO DIA, cujo objectivo será o de partilhar convosco algo engraçado. Assim, cá vamos ao primeiro…

 

MOMENTO DO DIA    

 

(Para a prof. de música)

- Ó professora, apanhaste um caldeirão… !

 

(Para a prof. E.)

- A irmã mandou perguntar onde estava a caixa dos primeiros chocos